Alegria açoriana! Moura ganha o Azores Airlines Rallye

Moura wins

Apesar de já ter ganho o Campeonato de Ralis dos Açores inúmeras vezes, a vitória no Azores Airlines Rallye tem fugido sempre do micaelense. Contudo, tudo isto mudou quando Moura e o seu co-piloto António Costa conseguiram derrotar Alexey Lukyanuk e Alexey Arnautov por 26,8s, num final impróprio para cardíacos, a cereja no topo do bolo de um dia, no mínimo, dramático.
 

Lukyanuk começou as últimas três provas especiais com um avanço de 25,3s; contudo, um tubo do turbo soltou-se e levou a uma letal perda de potência – e de tempo – durante a PE14, levando a que ficasse a 42,7s de Moura. Apesar das tentativas desesperadas para reparar os danos, à beira da estrada, os esforços para recuperar tempo por parte de Lukyanuk não lhe valeram de muito. Teve de se contentar com o segundo lugar, atrás do vitorioso Moura, o primeiro açoriano a vencer este rali desde Raul Mendonça em 1971, ou seja, há 45 anos.
 

“O meu nome vai ficar na história deste rali e eu estou muito, muito feliz, “ declarou um emocionado Moura, no final da última prova especial, depois de regressar a casa com o seu Ford Fiesta R5 1-2-3. “ Muito obrigada a toda a minha equipa por esta vitória e muito obrigada ao povo dos Açores. Eu usei os pneus duros e deveria ter utilizado os moles, já que estava a chover. Fiquei sem travões nos Graminhais e tivemos de recuperar disso também. Foi muito stressante, mas cá estamos.”
 

Lukyanuk, que também perdeu tempo precioso com um pião na PE12, retirou 21,2s à diferença para Moura na penúltima prova especial, terminando com uma margem de 21,5s. Na última prova especial, Tronqueira, com 21, 71km de extensão, a vitória parecia estar ao alcance de Lukyanuk. Mas Moura aumentou o ritmo e manteve o russo longe. “Não tivemos turbo talvez durante um quilómetro depois do início [da PE14],” disse Lukyanuk. Eu detesto quando a mesma coisa acontece de novo [tal como na Grécia], não deveria ser assim. Eu fui ao limite e arrisquei imenso, era impossível fazer mais. Era suposto esta vitória ser nossa. Talvez da próxima vez.”
 

Kajetan Kajetanowicz, o atual campeão do ERC, vinha, do dia anterior, atrás de Lukyanuk, com uma diferença de 9,8s para o russo, mas uma caixa de velocidades partida durante a primeira prova especial de hoje – Graminhais -, retirou o polaco da luta pela vitória.
 

Depois de perder imenso tempo na PE12 e 13, Kajetanowicz chegou à pausa para assistência a meio do dia a 3m33,5s do líder. O polaco ganhou a primeira prova especial da tarde, mas o terceiro lugar era o melhor a que o piloto do Fiesta podia almejar. De notar que o actual campeão do ERC ainda não ganhou uma prova no ERC 2016.
 

Os pilotos da Sports Racing Technologies, Ralfs Sirmacis e Raul Jeets, tiveram um final de dia frustrante nos Açores. Sirmacis desistiu, na PE12, por causa da direção partida do seu Skoda Fabia R5. Já Jeets chegou ao final da PE14, mas teve de parar devido à perda de pressão na água, causada por um embate numa berma.
 

O húngaro David Botka chegou em quarto lugar ao final, ao volante do seu Citroen DS3 R5, depois de ultrapassar Jaroslav Orsak na classificação, durante a última prova especial. O checo perdeu tempo com um furo na PE15, seguida da perda dos travões traseiros na última prova. Pedro Meireles acabou em sexto, Luís Rego em sétimo, José Pedro Fontes em oitavo e Ricardo Teodósio em nono, enquanto Antonin Tlustak, que ultrapassou a perda de tempo causada por um furo na penúltima PE, acabou em décimo.
 

Wojciech Chuchala, da Polónia, reduziu o seu déficit de 1m12,7s, causado por um furo na tarde de sexta – feira, e bateu Ruben Rodrigues no ERC2, naquela que é a sua quarta vitória consecutiva na categoria nesta época. “Perdemos muito tempo com o furo, por isso, tínhamos que atacar,” disse Chuchala. “Eu estava feliz por acelerar, mas também tínhamos de ter cuidado com o carro. Foi muito bom.” Juan Carlos Alonso veio da Argentina para ocupar o terceiro lugar do pódio nesta categoria.
 

O português Diogo Gago, ao volante de um Peugeot, venceu o ERC Junior, já que o líder do dia anterior, o alemão Marijan Griebel, teve um despiste 2km antes do final da PE12. Chris Ingram foi segundo e Steve Rokland (Noruega) terceiro, depois da desistência de Lukasz Pieniazek (Polónia). “É maravilhoso. Não há palavras para descrever o que eu estou a sentir, é incrível,” declarou Gago.de referir que o co-piloto de Gago, Hugo Magalhães, venceu o rali açoriano em 2014, em parceria com Bernardo Sousa. Entretanto, Ingram revelou que teve um problema na caixa de velocidades do seu Opel ao longo das últimas provas especiais.

 
Tempos e resultados das provas especiais:

http://www.azoresrallye.com/results-2016-2/

 
Vencedores das provas especiais:
PE1 Batalha (7.27km): Kajetanowicz/Baran (Ford Fiesta R5)
PE2 Solucoes M (7.08km): Moura/Costa (Ford Fiesta R5)
PE3 Vila Franca Sao Bras 1 (13.47km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE4 Grupo Marques SSS 1 (3.95km): Sirmacis/Simins (Skoda Fabia R5)
PE5 Pico da Pedra Golfe 1 (7.42km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE6 Feteiras Meo 1 (15.26km): Kajetanowicz/Baran (Ford Fiesta R5)
PE7 Sete Cidades 1 (25.62km): Kajetanowicz/Baran (Ford Fiesta R5)
PE8 Pico da Pedra Golfe 2 (7.42km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE9 Feteiras Meo 2 (15.26km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE10 Sete Cidades 2 (25.62km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE11 Graminhais 1 (20.96km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE12 Tronqueira 1 (21.71km): Moura/Costa (Ford Fiesta R5)
PE13 Grupo Marques SSS 2 (3.95km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE14 Vila Franca Sao Bras 1 (13.47km): Kajetanowicz/Baran (Ford Fiesta R5)
PE15 Graminhais 2 (20.96km): Lukyanuk/Arnautov (Ford Fiesta R5)
PE16 Tronqueira 2 (21.71km): Moura/Costa (Ford Fiesta R5)

 
Vencedores recentes:
2016: Ricardo Moura/Antonio Costa (Ford Fiesta R5)
2015: Craig Breen/Scott Martin (Peugeot 208 T16)
2014: Bernardo Sousa/Hugo Magalhaes (Ford Fiesta RRC)
2013: Jan Kopecky/Pavel Dresler (Skoda Fabia S2000)
2012: Andreas Mikkelsen/Ola Floene (Skoda Fabia S2000)
2011: Juho Hanninen/Mikko Markkula (Skoda Fabia S2000)
2010: Bruno Magalhaes/Carlos Magalhaes (Peugeot 207 S2000)
2009: Kris Meeke/Paul Nagle (Peugeot 207 S2000)
2008: Bruno Magalhaes/Carlos Magalhaes (Peugeot 207 S2000)
2007: Fernando Peres/Jose Pedro Silva (Mitsubishi Lancer Evo IX)