Quando se trocam as máquinas fotográficas por volantes

SvenundNico

Habitualmente encontramo-los atrás das suas máquinas fotográficas a tentar captar as melhores imagens dos concorrentes enquanto correm. Desde que os conhecemos, a sua visita aos Açores é frequente para fotografar o Azores Rallye. Costumam a chegar dois ou três dias mais cedo e depois de uma rápida visita ao Media Center para ‘apanhar’ um roadbook, eles visitam os melhores lugares que lhes permitirão obter aquelas fotografias ‘únicas’ que deixam todos boquiabertos. Desta vez e com o adiamento do Azores Rallye devido à pandemia de Covid-19, o Sven e o Nico decidiram inscrever-se sob a chancela da FLAT-OUT Media Agency Virtual Rally Team e como bons alemães que são, fizeram-no ao volante de dois VW Polo GTI R5.

Um pouco receosos ao princípio devido à uma lista de inscritos com mais de 1100 nomes, entre eles grandes pilotos virtuais de rali assim como verdadeiros pilotos de rali, o Nico e o Sven arrancaram para a prova sem expetativas, apenas tentando finalizar aquele que se esperava como sendo um rali muito exigente.

No final do primeiro dia de prova e após seis provas especiais para cada, Nico Meyer confessou ter sido “um dia complicado, para ser honesto. Não foi a melhor condução. Tive de aprender este carro nestas condições (lama e chuva). Falta a experiência” disse o fotógrafo alemão, para continuar a afirmar “espero ansiosamente pelo dia de amanhã na esperança de ter bom tempo”.

Sven Kollus considerou-se muito “desafortunado. Primeiro, um pneu explodiu mesmo na PE1, tivemos de ir com muito cuidado pela PE2 e PE3, até à assistência. A PE4 correu bem, até termos feito dois ‘piões’ na PE5 e finalmente, os limpa para-brisas deixaram de trabalhar mesmo na última especial… debaixo de chuva”. Kollus espera que o dia seguinte “seja muito melhor, porque pior, não pode ser”.

91535252_204940100768089_5170549026998714368_n

 

No segundo dia, a equipa de fotógrafos alemã começou o dia com uma atitude mais positiva uma vez que a chuva, a lama e as superfícies escorregadias foram substituídas por superfícies secas e sol. Mas mesmo assim, ambos não se livraram de preocupações durante todo o dia.

No final do rali, Sven Kollus foi o melhor dos dois, terminando o rali no 105.º posto. Um Kollus feliz afirmava “boa, muito feliz por termos conseguido terminar. Muitas arrelias também hoje. Ontem pensava que isto não podia ficar pior… enganei-me (risos)! Em vez de um, dois erros hoje, salvando-se a parte da condução. Porque estar acordado é um ponto chave, esquecemo-nos de mudar o setup logo pela manhã, portanto fomos com o modo “Rali Safari” selecionado na tarde de ontem. Carro muito alto, muito mole e com as suspensões muito longas! Muitos parabéns aos organizadores por terem preparado um rali tão bom. Tudo correu bem, exceto o engarrafamento que apanhamos para a PE4. Podem contar connosco para a próxima prova!”

92133112_512837956263618_3538889250441265152_n

Quanto ao Nico Meyer, a falta de experiência com este carro veio ao de cima e ajudou a cimentar o resultado, tendo concluído o rali no 163.º posto final. Nico disse “este rali contou com 12 provas especiais muito difíceis”. O piloto alemão teve que “lidar com alguns problemas, especialmente no primeiro dia, mas no segundo já foi possível fazer bons tempos e terminei feliz com a minha condução”. Em suma, Nico Meyer disse que “há muito ainda a melhorar para o próximo evento, mas vou praticar e melhorar a minha condução. Portanto, venha de lá o próximo evento. Regressaremos mais fortes”.

A organização do Azores Virtual Rallye agradece a participação de todos neste evento, incluindo todos os pilotos de rali ‘reais’ assim como aos fotógrafos profissionais, como é o caso do Nico Meyer e do Sven Kollus.

Um conselho aos dois (Nico e Sven): em setembro, não se esqueçam de regressar aos comandos das vossas máquinas fotográficas e visitar os Açores. Contamos convosco para algumas das melhores fotografias do ‘genuíno’ Azores Rallye.